O projeto é desenvolvido no Norte do Estado, em Ananás. A Associação dos Artesãos já contabiliza bons resultados com geração de renda e empregos. Gerenciamento tem apoio do Idesa, em Guaraí

A partir da árvore do Jatobá, uma série de atividades dá vida ao artesanato

A partir da árvore do Jatobá, uma série de atividades dá vida ao artesanato

Um grupo de artesãos no município de Ananás, no norte do Estado, a 600km de Palmas, pratica sustentabilidade produzindo uma série de artesanato com o fruto do Jatobá. A árvore, que pode ser encontrada na Amazônia, Cerrado, Pantanal e também na Mata Atlântica, chega aos 40 metros de altura, é bela, frondosa e dá fruto de casca dura, com semente envolvida por um pó amarelado, rido em ferro. O nome vem do Tupi, e quer dizer árvore com frutos duros.

“Na alta da colheita, separamos cerca de 10 mil frutos para o processo fabril da associação”, disse Antônio Marinho, um dos artesãos. A colheita ocorre entre junho e dezembro e tudo é feito com cuidado, inclusive, as sementes são separadas para a produção de mudas, que depois são distribuídas gratuitamente aos interessados.
Toninho explica que vários tipos de bonecos são produzidos com o Jatobá, a exemplo da Deusa da Justiça, Quebradeira de Coco, Tecedor de Algodão, Burrinho de Carga, entre outros. “Mas produzimos também com outros produtos da região, como caroço da Manga, Pente de Macaco, Sapucaia e o coco Babaçu”, pontua o artesão.

Organização

O suporto à produção vem do Instituto Intersocial de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental – IDESA, com sede em Guaraí, que desenvolve esforços para fomentar a criação de empregos e renda a partir da produção de artesanato sustentável. Em Guaraí, inclusive, está a fabricação de peças artesanais e decorativas com os talos do Buriti. São mesas, cadeiras, quadros e outras alternativas desenvolvidas com foco na decoração, pelo artista Carlito.
Em breve, também em Guaraí, o passo seguinte será a prática do Projeto Sala Verde Buriti, que tem como foco as ações de educação ambiental nas escolas da cidade, em conjunto com a Prefeitura.

Toninho, criador do Boneco de Jatobá

Toninho, criador do Boneco de Jatobá

Milton Teles, do Idesa

Milton Teles, do Idesa

O Idesa ainda desenvolve ações de apoio na produção, divulgação e vendas de artesanato em Capim Dourado, que apresenta uma vasta alternativa de produtos, como brincos, decoração, entre outras. Segundo Milton Telles, presidente do Idesa, “não trabalhamos com artesanato feito fora do Tocantins, pois nossa ideia é valorizar e difundir o produto e o produtor local”. “Toda a produção tem que atender aos conceitos de sustentabilidade”, explica.

Recentemente, um site foi criado para divulgar o trabalho dos artesãos, e vender aos interessados em todas as regiões do país (www.3naweb.org.br).

Está publicado no site jornalistico

http://www.jornalmaosaobra.com.br/2014/05/producao-sustentavel-de-artesanato-usa-casca-de-jatoba-e-outros-produtos-naturais/ acessado em: 04/06/2014